Seguro de vida e seguro de saúde: as diferenças no apoio em caso de cancro

Image

O diagnóstico de doença oncológica é um momento delicado na vida de quem o enfrenta e na vida familiar. Apesar dos avanços médicos nas áreas de tratamento, o cancro é uma doença que requer cuidados especiais e que obriga, em muitos casos, a uma reorganização da vida.

Quando um cancro é diagnosticado, o apoio é fundamental. Tanto das pessoas próximas, como família e amigos, mas também de quem pode ajudar a minimizar o impacto financeiro da doença. É aqui que os seguros podem fazer a diferença e permitir concentração máxima na recuperação e tratamento. Há dois seguros que são determinantes: o seguro de vida para oncologia e o seguro de saúde. Mas se os dois dão apoio em casos de cancro, só um permite receber o dinheiro no momento do diagnóstico, e escolher onde o utilizar.

Flexibilidade no uso do capital

A grande diferença entre um seguro de vida dedicado a casos oncológicos e um seguro de saúde é a flexibilidade no uso do capital em casos de cancro.

Enquanto um seguro de saúde (com ou sem uma proteção oncológica reforçada) está pensado para a proteção durante o tratamento e o capital pode ser utilizado em situações de hospitalização ou consultas de ambulatório e tratamentos no decorrer da doença, o seguro de vida atribui de uma vez uma quantia de dinheiro acordada no caso de aparecer a doença.

No caso da Septor, o seguro de Seguro Seguro Vida + Plano Proteção garante um capital em caso de diagnóstico de cancro invasivo entre os 50.000 e os 100.000 euros. Protege ainda em caso de cancro não invasivo, com um capital entre 5.000 e 10.000 euros.

O cancro é uma doença cujos custos vão muito para além dos tratamentos. Com um seguro de vida como o Seguro Proteção Oncológica, as pessoas asseguram uma maior capacidade financeira para lhes fazer face. Podem usar o dinheiro como pretendem, nomeadamente:

  • Deslocações às sessões de tratamento
  • Estadias de familiares em centros hospitalares
  • Adaptações da casa
  • Contratação de amas, cuidadores e enfermeiros
  • Tratamentos estéticos
  • Viagens

No caso do seguro de saúde, o capital pode ser utilizado apenas em despesas relacionadas com internamento ou tratamento da doença.

Cobertura por morte

Outra diferença entre um seguro de vida para oncologia e um seguro de saúde com proteção oncológica é a cobertura por morte. Naturalmente, um seguro de vida tem esta cobertura acautelada (mesmo que a causa não seja o cancro). Assim, se a pessoa morrer, os beneficiários que ela tiver designado na altura em que fez o seguro têm direito a receber o pagamento da cobertura por morte. No Seguro Seguro Proteção Oncológica esse capital pode ir dos 5.000 aos 10.000 euros.

Pelo contrário, o seguro de saúde não tem esta cobertura. Em caso de morte do segurado, não existe o pagamento de indemnizações por parte da seguradora.

Cancro e seguros: as perguntas frequentes
  • Quem já teve cancro pode fazer um seguro?

Nada impede que uma pessoa com cancro tente subscrever o seguro de vida para oncologia. Cada caso é um caso. Se for aceite, provavelmente estará sujeita à exclusão desse cancro da apólice.

O seguro poderá ser ativado no futuro se ocorrerem novas situações oncológicas que não tenham relação com a primeira e desde que tenha sido cumprido o período de carência.

  • É possível ter um seguro de vida para oncologia e um seguro de saúde?

Sim, é possível ter os dois tipos de seguro. Assim, é até possível aumentar a proteção e reforçar o apoio em caso de cancro. O seguro de saúde pode ser usado para cobrir as despesas relacionadas com a hospitalização e tratamentos, e o seguro de vida é usado livremente naquilo que entender, seja adaptações em casa, pagamento a cuidadores ou até uma viagem. Os dois podem funcionar de forma complementar para garantir uma proteção elevada.

Na SEPTOR pode fazê-lo combinando o Seguro Proteção Oncológica e o Seguro Saúde Individual

  • Como é feito o pagamento do capital do Seguro Proteção Oncológica?

Como apoio ao cancro, o Seguro Proteção Oncológica tem diferentes formas de apuramento de capital devido a quem beneficia do seguro, consoante se trate de um cancro invasivo ou não invasivo (in-situ).

Assim, nos casos de cancro não invasivo, o capital é pago na totalidade.

Nos casos de cancro invasivo, o pagamento é feito de acordo com o estadio do cancro:

  • Estadio I: até 25% do capital seguro total;
  • Estadio II: até 50% do capital seguro total;
  • Estadio III e IV: até 100% do capital seguro total.

É nos momentos em que estamos bem que nos devemos precaver para as situações que podem acontecer no futuro. Fazer um seguro é estar protegido caso apareça algum imprevisto, garantindo o apoio necessário para o ultrapassar da melhor maneira.

Conheça o Seguro Proteção Oncológica

O Seguro de Vida Proteção Oncológica existe para que, caso alguma vez seja diagnosticado com um cancro (mama, colo-retal, pulmão, estômago, próstata, etc), nunca se sinta sozinho.

Author
Equipa Septor
Publicado a
12 de Maio, 2020
Tempo de Leitura
5 minutos
Partilhar